Arquivo por categoria: Paulo Henrique Amorim

jun 01

COLUNA DE P.H.A. Singela homenagem AO STF DE BARBOSA

113

Sente falta dos fantasmas ? Esse Bessinha …

COLUNA DE:

PAULO HENRIQUE AMORIM

PAULO HENRIQUE AMORIM reduzido

SINGELA HOMENAGEM AO STF DE BARBOSA

   O Bessinha se comoveu tanto com a saída do Presidente Barbosa – o Mauricio Dias explicou melhor do que ninguém que resolveu homenageá-lo e ao Supremo que ele presidiu.

   Porque, como se sabe, o Sérgio Buarque formulou observação irrefutável: o Presidente Barbosa fala grosso com o Dirceu e o Genoino, o multimilionário da lista da Forbes, mas fala fino com o Daniel Dantas.

Por que ele não levou a votação a RE 680967, que legitima, de vez, a Satiagraha ?

Como diz o Mino Carta, o Genoino preso e o Dantas soltinho por aí

Paulo Henrique Amorim
01

01

01

01

33============

Comentários

Todos os comentários são moderados, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Não serão aceitas mensagens com links externos ao site, em letras maiúsculas, que ultrapassem 1 mil caracteres, com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Não há, contudo, moderação ideológica. A ideia é promover o debate mais livre possível, dentro de um patamar mínimo de bom senso e civilidade. Obrigado.

 

abr 25

COLUNA DE: P.H.A. – PADILHA RESPONDE: ELES MENTEM, MENTEM, MENTEM !

É fácil processar: quem dirige a investigação na PF ?

mentem

COLUNA DE PAULO HENRIQUE AMORIM

PAULO HENRIQUE AMORIM reduzido

PADILHA RESPONDE: ELES  MENTEM, MENTEM, MENTEM !

O Conversa Afiada reproduz trechos de coletiva de Padilha – que vem aí de jaleco branco ! – sobre as mentiras divulgadas pela parceria exclusiva e privilegiada da Policia Federal do  – que ainda vai derrubar a Dilma – com o PiG (*):

“Cancelei minha agenda no interior de SP porque acredito que é importante fale sobre todas as notícias que estão nos jornais de hoje”

“Mantenho minha postura de estar sempre à disposição para esclarecer qualquer fato ou notícia”

“Essa sempre foi a postura que adotei em todo cargo que ocupei: esclarecer imprensa e população”

“Vou constituir advogado junto à PF ter acesso a toda documentação. Vou interpelar judicialmente qq pessoa q envolver meu nome”

“Mente quem diz que indiquei Marcus Cezar Moura p/ qualquer cargo”

“Mente quem diz que houve contrato do Ministério da Saúde com a Labogen”

“Mente quem diz que há envolvimento meu com o doleiro citado”

“As PDP’s já existiam na gestão anterior. Na minha gestão estabelecemos mecanismos de transparência e regras para que fossem firmadas”

“A apresentação dessas parcerias é feita publicamente. No caso da Labogen isso foi feito em dezembro”

“Eu repudio qualquer envolvimento do meu nome em mensagens trocadas por terceiros”

“Estarei sempre à disposição da imprensa 24h por dia para esclarecer qq coisa. Essa é minha postura: chamar a imprensa e esclarecer”

“Se alguém pensou que poderia ultrapassar qualquer rito regular no Ministério da Saúde bateu na porta errada”

“Quem apresenta projeto de PDP’s são os laboratórios públicos”

“É obrigação como ministro encaminhar  projetos de qq partido,seguindo fluxo formal e regular pela SCTIE, q sempre cumpriu ritos éticos”

“Procurem no Portal da Transparência se há qualquer contrato com Laborgen na minha gestão.Não há.Há em outras gestões, mas na minha não”

“Vou interpelar judicialmente qualquer pessoa que tenha usado meu nome em vão. Não admito que usem meu nome em vão”

“Vou continuar debatendo os problemas do estado de São Paulo como tenho feito como coordenador da Caravana #HorizontePaulista”

“Foi também com essa conduta mentirosa que inventaram inverdades sobre meu diploma de infectologista”

“Não tenho de cara feia, arrogância, injúria ou ilações. Se tivesse, não teríamos o #MaisMédicos”

“Vou continuar focado nos problemas de São Paulo. O que vi essa semana foi uma tentativa de inibir debates sobre os problemas de SP”

“Enquanto gestor público e depois de deixar o MS sempre adotei a postura de prestar qq esclarecimento à imprensa e população”

“O papel do Labogen seria fornecer matéria prima para a produção. E teriam que ser produzidos no Brasil ou seria excluído”

“O laboratório da Marinha é que teria contrato com MS e receberia recurso depois de passar por filtros e mecanismos estabelecidos”

“Entre a apresentação pública e o contrato diversas etapas precisariam ser vencidas”

“Toda vez que aponto um problema para São Paulo e quero dar soluções recebo de volta ataques, raiva e grosseria”

“Apoiei publicamente todas as medidas de apuração sobre o laboratório, o que foi reforçado após decisão do MS”

*) Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista.

=================

Comentários:

Todos os comentários são moderados, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Não serão aceitas mensagens com links externos ao site, em letras maiúsculas, que ultrapassem 1 mil caracteres, com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Não há, contudo, moderação ideológica. A ideia é promover o debate mais livre possível, dentro de um patamar mínimo de bom senso e civilidade. Obrigado.

 

 

 

abr 08

1964, O ANO QUE NÃO TERMINOU

1964-nao-erminou

COLUNA DE PAULO HENRIQUE AMORIM

PAULO HENRIQUE AMORIM reduzido

A ascensão da Classe C, o papel do Estado, da Petrobras e uma Ley de Medios – está tudo aí.

    1968 foi o ano que terminou.

No Maio de 1968 na França e em seus desdobramentos mundo afora – no Brasil, inclusive.

Ficou um retrato na parede.

Discuti-lo em 2014 ou em 2018 será uma reflexão de intelectuais – ou pseudo …

1968 não tem nada a ver com o que se passa hoje.

Está lá, dentro de uma caixa.

Embrulhado em Verdes.

1964 não terminou.

A “descomemoração” dos 50 anos do Golpe permitiu, primeiro, reconstruir a imagem de Jango. (Clique aqui para irao “Dossiê Jango”.)

Não se viu ninguém escrever ditirambos a Castello, Costa e Medici, nem, sequer, a Geisel e Golbery, o sacerdote e o feiticeiro da fundação da Democracia brasileira…

Ao contrário, os 50 anos permitiram reavaliar responsabilidades e sobressaiu-se a dos Estados Unidos no “dia que durou 21 anos”.

Mas, o debate sobre 1964 não está encapsulado na História.

Está vivo.

As reformas de base, magistralmente descritas pelo professor Gilberto Bercovici.

A tentativa de fazer Reforma Agrária para criar um mercado de massa.

A incorporação dos pobres, analfabetos e sargentos à vida política – e eleitoral .

A política externa independente.

O papel central da Petrobras na industrialização do Brasil.

O papel do Estado na Economia – mínimo, tão pequeno que se possa afogar numa banheira; ou indutor, financiador, líder, como em Vargas ?

Está tudo aí, nos debates deste dia – clique aqui para ler sobre a Odebrecht e os economistas de bancos.

E o que precisa ser reavaliado, até pelos janguistas e brizolistas: a Ley de Medios, cujos contornos Jango definiu ao apor 52 vetos – todos recusados – ao projeto de um Código Brasileiro de Telecomunicação, que veio do Congresso, sob a liderança de João Calmon, empregado de Chateaubriand.

A Abert, que, hoje, é um braço desarmado da Globo Overseas, foi fundada para celebrar a derrubada dos 52 vetos de Jango.

E o que há de mais atual, que a necessidade de uma Ley de Medios, para substituir esse Código de 1962 (!!!), e que está em vigor até hoje ?

(Onde não há lei, o leão reina, não é isso, Gilberto Freire (*) ?)

Clique aqui para ler “Barbosa quer Ley de Medios e peita a Globo”.

aqui para ler “Venício: em defesa da democratização dos meios de comunicação”.

Há uma diferença Central (com caixa alta, por favor, revisor, obrigado).

Uma diferença Central entre 1964 e 1968.

Em 1964 tinha trabalhador na rua.

Na Central.

Paulo Henrique Amorim

 

Ali tinha povo …

 

(*) Ali Kamel, o mais poderoso diretor de jornalismo da história da Globo (o ansioso blogueiro trabalhou com os outros três), deu-se de antropólogo e sociólogo com o livro “Não somos racistas”, onde propõe que o Brasil não tem maioria negra. Por isso, aqui, é conhecido como o Gilberto Freire com “ï”. Conta-se que, um dia, D. Madalena, em Apipucos, admoestou o Mestre: Gilberto, essa carta está há muito tempo em cima da tua mesa e você não abre. Não é para mim, Madalena, respondeu o Mestre, carinhosamente. É para um Gilberto Freire com “i”.

Página 1 de 11